.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. CEDER OU NÃO CEDER?

. Toxicodependência: o melh...

. hipertensão arterial

. A NOVA RODA DOS ALIMENTOS...

. ALCOOLISMO

. DEPRESSÃO PÓS-PARTO

. SEXO e ESCOLA

. SEGREDOS PARA UMA VIDA SE...

. SEGREDOS PARA UMA VIDA SE...

. CICLO SEXUAL MASCULINO

.arquivos

. Setembro 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

.tags

. todas as tags

.favorito

. Toxicodependência: o melh...

. QUAL A ORIGEM DESTE MILAG...

. O que é a Esclerose Múlt...

blogs SAPO

.subscrever feeds

Terça-feira, 11 de Maio de 2010

Amigdalite

 

Amigdalite

Dá-se o nome de Amigdalite aos processos inflamatórios das amígdalas. Quando o processo se estende a todo o anel orofaríngeo fala-se de angina.

A amigdalite pode significar a participação do tecido linfático faríngeo numa infecção geral (como por exemplo a gripe, a escarlatina, a febre-tifóide, etc...), da qual as amígdalas são frequentemente a porta de entrada, ou então trata-se de doença local. Neste caso, os principais causadores são estreptococos, estafilococos, adenovírus, apesar de muito variados aos microrganismos responsáveis pela afecção.

As inflamações agudas das amígdalas provocam uma série de sintomas vulgares com diferentes gradações segundo a intensidade e natureza da inflamação. A mais frequente é a dificuldade na deglutição por dor intensa que irradia nos ouvidos. Com excepção das formas mais ligeiras, acompanha-se de febre, que pode ser elevada. É frequente a tumefacção dos gânglios linfáticos submaxilares e cervicais.

É possível a ocorrência dos seguintes tipos de amigdalite:

  • eritematosa, na qual a mucosa de revestimento se encontra muito vermelha;
  • folicular (ou lacunar), à superfície da qual se notam manchas de exsudado branco-amarelado. Às vezes estas manchas juntam-se e formam uma membrana que, ao contrário das pseudomembranas diftéricas, se podem destacar facilmente se provocar hemorragia;
  • úlcero-membranosa, na qual se forma uma grande placa de exsudado branco que cobre uma úlcera com bordos irregulares numa só amígdala. Nestes casos, o hálito é do tipo putrefactivo; observa-se um abcesso da amígdala, encontrando-se tumefacta e saliente, notando-se flutuação, quando há colecção de pus.

A repetição da amigdalite aguda e subaguda produz com uma certa frequência um estado de inflamação crónica das amígdalas. As amigdalites crónicas não dão geralmente sintomatologia, além de um pequeno incómodo na deglutição, mas podem exacerbar-se periodicamente.

Para o tratamento da amigdalite, utilizam-se fármacos com acção analgésica e antipirética (aspirina, piramidona), preparações à base de bismuto e, nos casos mais graves, sulfamidas e antibióticos.

publicado por terramena às 23:17

link do post | comentar | favorito
|

.links